quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Quem de nós dois

Eu e você
Não é assim tão complicado
Não é difícil perceber...

Quem de nós dois
Vai dizer que é impossível
O amor acontecer...
Se eu disser
Que já nem sinto nada
Que a estrada sem você
É mais segura
Eu sei você vai rir da minha cara
Eu já conheço o teu sorriso
Leio o teu olhar
Teu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso...

Sinto dizer que amo mesmo
Tá ruim prá disfarçar
Entre nós dois
Não cabe mais nenhum segredo
Além do que já combinamos

No vão das coisas que a gente disse
Não cabe mais sermos somente amigos
E quando eu falo que eu já nem quero
A frase fica pelo avesso
Meio na contra mão
E quando finjo que esqueço
Eu não esqueci nada...

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro...
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida

Eu procurei qualquer desculpa pra não te encarar
Pra não dizer de novo e sempre a mesma coisa
Falar só por falar
Que eu já não tô nem aí pra essa conversa
Que a história de nós dois não me interessa...
Se eu tento esconder meias verdades
Você conhece o meu sorriso
Lê o meu olhar
Meu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso...

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demaisE
é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro...
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida
Ana Carolina - Quem de nós dois

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."
Clarice Lispector

Eu quis.

E nessa minha gana de viver eu esqueci do que era importante.
Esqueci que quando o Sol vem a Lua vai.

Não vi Lua, não vi chuva, não vi Sol.

Vi apenas o que queria ver.
E descobri, quase agora, que o meu eu não me pertence.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

You only live once

E, de repente, você descobre que nada era de verdade.
De repente as coisas mudam.
De repente você percebe que a vida é muito curta.

Você vive para os estudos e para o trabalho.
Você não tem tempo para ficar com a sua família.
Você não sai mais com seus amigos.
Você não tem tempo pra você mesmo.

E quando você "acorda", percebe que perdeu tempo demais.
E você não pode voltar atrás.

Você tem apenas uma chance.
Apenas uma.
Faça acontecer.
Pule, grite, ria, chore, coma brigadeiro de panela, passe o dia assistindo filme.
Vá ao parque, brinque na balança, tome banho de chuva.
Tome algumas com os amigos, faça amor, faça guerra de travesseiros, conte piadas.

Você vive apenas uma vez.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Não por acaso

Como é ruim sentir aquele nó na gargata, aquele aperto no peito, aquela vontade de gritar.

Como é terrível sentir as mãos atadas, sem poder fazer nada.

Sentir-se preso. Sentir-se vazio. Sentir vontade de chorar.


E o pior: sem poder fazê-lo.





"Não sei se quero descansar por estar realmente cansada ou se quero descansar para desistir."
Clarice Lispector

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Breathing...

... is the hardest thing to do.








And I feel, so much depends on the weather
So, is it raining in your bedroom?
And I see that these are the eyes of disarray
Would you even care?

Running away

Não importa onde você vá ou quantos quilômetros você percorra, a sombra está sempre ali, refletindo tudo aquilo que você simplesmente não tem a mínima curiosidade de ver.

Retalhos

Eu finjo que não vejo, desvio o olhar e sorrio de canto de boca com aquele "está tudo bem" pronto e automático.

Mas não adianta, eu ainda salivo e sinto o gosto amargo das sutilezas.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Realidade inventada

O toque delicado. As palavras.

O suor, a pele, os lábios, os olhos.

Seus braços; seu abraço.




"Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento."
Clarice Lispector

terça-feira, 15 de setembro de 2009

I wish I could fly

- Vai! - ele ordenou
- Não vou! - disse ela, bufando
- Vai sim!
- Já disse que não vou!
- Ah, mas você vai!
- E quem vai me obrigar? - ela disse com raiva - Eu tenho medo!
- Segura bem forte a minha mão.
- Tá!
- Vamos!

Eles ficaram na ponta dos pés.
Inclinaram o corpo para frente.
Caindo.
Voando.

Olhos fechados

Impressionante a facilidade que as pessoas têm de não entender as coisas.

É muito mais fácil falar "não" e manter os olhos fechados do que abrí-los e enxergar novas coisas. Aceitar coisas diferentes. Mudar.

Os prejudicados, na grande maioria das vezes, são aqueles ao redor dessas pessoas que se fecham.

Quanto aos fechados, estes só perdem.

Perdem a oportunidade de descobrir novas coisas, de fazer os que estão ao seu redor felizes.


E tudo isso por receio de entender.




"[...]Faz de conta que ela nao estava chorando por dentro -pois agora mansamente, embora de olhos secos, o coração estava molhado;ela saíra agora da voracidade de viver."
Clarice Lispector

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Ordem aleatória

Ah, quem dera se a vida fosse assim; bastaria selecionar os acontecimentos do nosso dia-a-dia, jogá-los na lista de reprodução e ativar a ordem aleatória.

As coisas aconteceriam, mas sem aquela rotina maçante de sempre.

Quem dera ainda se pudéssemos retroceder as boas coisas, avançar quando houver tempestade, pausar aqueles momentos que tanto queriamos eternizar ou dar stop quando sentissemos o chão faltando sob nossos pés.

É, quem dera.

domingo, 13 de setembro de 2009

Maquiagem sentimental

Há pessoas que usam maquiagem sentimental para disfarçar os defeitos da alma.

Mal sabem elas que a maquiagem ter que ser perfeita, pois uma maquiagem mal feita pode piorar uma situação que já não é boa.

Não seria mais fácil, então, assumir seus defeitos?




"Os objetos só têm sentido quando têm sentido, fora isso... Eles precisam ser olhados, manuseados. Como nós. Se ninguém me ama viro uma coisa ainda mais triste do que essas, porque ando, falo, indo e vindo como uma sombra, vazio, vazio. É o peso do papel sem papel, o cinzeiro sem cinza, o anjo sem anjo, fico aquela adaga ali fora do peito. Para que serve uma adaga fora do peito?"
Antes do Baile verde - Lygia Fagundes Telles

sábado, 12 de setembro de 2009

Uma síntese perfeita

Sintese: sf. 1. Operação mental que parte das noções ou proposições simples para as mais complexas, ou das partes para o todo. 2. Resumo, sinopse. 3. Fusão, composição.

Perfeito: adj. 1. Sem-par; incomparável. 2. Total, integral. 3. Ótimo, excelente. 4. Sem defeitos. 5. Que representa um padrão ideal.

Seria então a vida uma síntese perfeita?

Corpo e alma

Olhei-me no espelho.
Hoje não é um daqueles dias em que a gente acorda com vontade de fazer um monte de coisas.
Pelo menos não pra mim.
Olheiras.
O semblante cansado, os olhos vermelhos. Uma dor terrível no corpo e vontade de voltar para a cama.
Não dá.
Eu tive que ficar de pé e fazer o que eu tinha de fazer.
E todo dia é assim.

As coisas não ficam mais fáceis a medida em que o tempo passa, e a gente sempre desconta a dor em alguma coisa (o maço de cigarro e a lata de beijinho que o digam!).

Preciso de um tempo...



"[...]Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram. Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos."
Por Não Estarem Distraídos, Clarice Lispector